Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

ENGANOS ACONTECEM




Dona Judith era uma vizinha prestativa. Daquelas que sempre alcançavam o tantinho de sal ou de açúcar que faltara na hora do aperto na casa ao lado. Se uma bola caía no seu pátio, ela gentilmente a retornava por cima da cerca, assim como uma galinha extraviada que encontrara causando danos às suas verduras. Diferente de dona Ernestina que, de raiva, devolvia a bola furada e o pobre bicho sem vida.
Ela se interessava pela vida dos vizinhos, e quando alguém adoecia – o que ela ficava sabendo pela presença do auto de praça na frente da casa – sempre chegava para saber notícias.
É preciso esclarecer que em velhos tempos, antes do primeiro Hospital na cidade, os pacientes eram atendidos a domicílio, e era preciso alguém ir buscar o médico, tendo antes  procurado o “chauffeur” ou motorista de praça, para conduzir o doutor. Não havendo telefone particular – era só a Central – alguém tinha que ir à casa do motorista para  chamá-lo. Ainda bem que os endereços eram por demais conhecidos por todos, pois havia apenas o Seu Chico Barata, o seu João Feliciano e o seu Luciano que davam conta do recado.
Certa ocasião, Dona Judith, ao passar pela residência de seu Ataliba, notou um  auto de praça na frente, e dele desembarcando o doutor. Deixou para chegar na volta para não atrapalhar a consulta. Então ficou sabendo que o estado do vizinho não era nada bom. Pneumonia agravada por enfisema pulmonar, e o paciente não estava reagindo bem aos remédios – antes do aparecimento dos antibióticos. Então virou rotina. Todos os dias ela chegava ali para saber como ele passara a noite. As notícias não eram animadoras. Não passa de hoje, disse a empregada. Alarmada, ela aceitou o convite para entrar, desta vez, e falar com a dona da casa. Já era noite, e da sala ela podia ver a mesa da cozinha, onde a sogra do seu Ataliba estava jantando. Pelo cheiro apetitoso, devia ser uma linguiça que a idosa comia com todo o gosto. Que coisa, nesta idade e ainda janta, pensou.
No dia seguinte, a boa vizinha se assustou: na porta da frente da casa do seu Ataliba estavam aqueles estandartes anunciando a morte, como era o costume antes das Casas Funerárias. Coitado, dessa ele não escapou.
Preparada para dar os pêsames, ela entrou e foi direto ao caixão do defunto, que estava com o rosto coberto e rodeado de flores. Abraçou os familiares, procurando palavras de conforto. E como boa religiosa que era, convidou a todos para rezarem um terço pela alma daquele ente querido. A cada mistério da oração ela pedia pelo descanso eterno de seu Ataliba.  Sentia que alguém a cutucava e murmurava alguma coisa, mas ela não entendia o que era.
Terminada a oração, ela procurou a viúva, e como não a via por ali, imaginou que estivesse no quarto, talvez até de cama curtindo a grande perda. Foi procurá-la, e lá chegando levou o maior susto de sua vida: viu o seu Ataliba recostado em travesseiros, bem vivinho, tomando uma sopa fumegante que a esposa lhe dava na boca, com todo o cuidado.
Num instante fez-se luz na cabeça de dona Judith: o defunto era a sogra que ela vira na véspera jantando com tanto apetite.
Pudera! Foi a linguiça...