Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

RESPEITO É BOM





Até que enfim encontrei algo que me alegrou em edições de jornal de segunda-feira. Foi neste último domingo: fotos das torcidas do Grenal confraternizando sob a tutela do bloco do bairro Medianeira, de Porto Alegre, na sua “passarela do futebol”. Mais tarde, as câmeras da mídia captaram imagens de sorridentes torcedores de ambas as facções na maior harmonia. Casais, um gremista, outra colorada, ou vice-versa, no maior carinho. E um bebê no colo do pai vestindo uma camisa bicolor, de um lado, vermelha e do outro azul, e a mamãe ali perto, gremista assumida.
Respeito é bom e faz bem.
O que seria dos torcedores se todos fossem do mesmo time? E não houvesse um rival?  Não haveria o confronto. E a torcida? Deixaria de torcer, é claro.
As guerras acontecem por divergência de opiniões, de interesses, de egoísmo. Por falta de respeito ao próximo, às suas origens, maneira de ser, mentalidade e modo de agir.
 O grande filósofo Voltaire costumava dizer: “Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres.”
Foi nesse espírito que se fundamentou a grande revolução francesa. Para defender esse direito de ser diferente. “Liberté, Égalité, Fraternité”. Mas vacilaram ao ridicularizar os ídolos do islamismo. Deu no que deu.
Na vida comum, como é bom encontrar pessoas de respeito, que merecem a nossa confiança e que respeitam as nossas opiniões, a identidade de cada um, as diferenças.
Estamos no século XXI, e os preconceitos, em vez de desaparecerem, parece que crescem a cada dia. Torcedores dos maiores times do país digladiando-se e até matando-se. Perseguições a homossexuais, a pretos, e agora a muçulmanos aqui radicados que não têm nada a ver com o terrorismo. Bullying nas escolas e nos locais de trabalho e de lazer. Todo o mundo precisa ser igual?
Nas estradas e vias públicas, quantos motoristas embriagados ceifando vidas ou ao menos ameaçando pessoas inocentes, que não desobedecem às leis de trânsito e são colhidas por eles. Falta de respeito.
Chegamos a pensar que não há mais o que fazer. Puro engano. As transformações para um mundo melhor começam em casa, no trabalho, na sociedade.
Se aquela doméstica deixasse de colocar o lixo no bueiro ali da esquina; se os passantes evitassem sujar as ruas com latas, papéis e plásticos de seus lanches atirados fora nas calçadas... Ao redor de nossa Matriz há um mar desses objetos jogados por irresponsáveis que não aprenderam a portar-se em via pública. O clima seria melhor.
Ah, se as indústrias pensassem menos em seus lucros e mais na segurança de seus funcionários, familiares, e comunidades próximas... E usassem de todas as precauções para evitar que a tragédia de Mariana trouxesse efeitos tão devastadores à natureza e à nossa combalida Mãe-Pátria...
Tanta coisa poderia ser diferente se houvesse respeito. Que tem faltado a nossos representantes nas suas malfadadas ingerências nos bens públicos; nas leis que só favorecem a eles e a seus parceiros endinheirados; na condução da política que protege aos corruptos;
que não resolvem nada, acabam em pizzas.  E as verbas faltando à Saúde, à educação e à infraestrutura das estradas, dos bens públicos, e vão beneficiar com auxílio-alimentação, auxílio-moradia à classe que deveria proteger-nos e julgar os ilícitos?
 Tantos escândalos envolvendo fraudes nos leites e outros alimentos adulterados causando doenças e até a morte. Remédios vencidos ou falsificados enriquecendo laboratórios e matando pacientes do SUS.
Tudo porque as consciências adormeceram. Só pensam no seu bem próprio, sua ganância quer sempre mais.
Quanto desperdício! Prédios públicos inacabados, planos de casa própria para trabalhadores e moradores de áreas de risco ficando só no papel. Hospitais sem recursos materiais, financeiros e humanos que cheguem para a demanda. Escolas desabando ou apresentando perigos para os alunos, e sempre faltando material didático e motivação para seus professores.
Nada disso aconteceria se houvesse por parte de governantes e governados o respeito que se deve ao outro, às vidas humanas que precisam de nós, de nossos cuidados e apreço.

Respeito é bom... e nós merecemos.