Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 21 de março de 2013

A VEZ É DOS "VELHOS"






Minha ex-colega estava indignada. Ninguém mais me conhece, dizia.  Precisando de um documento em uma repartição, a mocinha atendente nem a olhou, estava ocupada ao telefone. Assunto oficial? Que nada! Era um bate papo com uma amiga sobre os programas do próximo fim de semana. A visitante declinou o nome, na esperança de que ele fosse conhecido por seus trabalhos prestados na profissão, mas não funcionou. Pediu para falar com a chefe, e a resposta é que ela  se encontrava em reunião. Vou esperar, disse, e recebeu o olhar gelado da mocinha que retrucou: Vai demorar. Espero assim mesmo. Uma verdadeira luta entre duas gerações.
Comentando o caso, chegamos às mesmas conclusões. Não somos mais ninguém se não estamos na ativa. Esquecem logo nosso trabalho, a influência que tivemos nos acontecimentos da cidade, no nosso ramo de trabalho e afins. Nos velórios de pessoas idosas que tiveram papel importante em nossa comunidade, que foram membros importantes de clubes sociais e beneficentes, até gerentes de estabelecimentos, diretores ou professores de escolas, só os familiares e poucos amigos da mesma idade se fazem presentes. Poucas coroas de homenagens, ninguém representando o setor de trabalho onde aquela pessoa deu tanto de si aos outros.
Nos noticiários, há relatos impressionantes de idosos que são maltratados por familiares ou acompanhantes contratados para cuidá-los. E os coitados, sem condições de reagir, passam fome, privações e torturas, depois de terem sido o esteio de sua família e contribuído para a vida da comunidade.
No trânsito, então, é um horror. Os idosos que ainda têm o privilégio de carteira de habilitação, não são poupados pelos demais motoristas que se impacientam de esperar que eles coloquem o carro numa vaga apertada, nas ruas principais. Vão logo gritando: sai do meio da rua, velha (ou velho). Quando, nas mesmas circunstâncias, outros mais novos bloqueiam a passagem para ficar de fila dupla, conversar com outro motorista que esteja passando ou cometendo outras infrações. Ninguém lhes diz: Jovem, te manda.
Mas um  outro sol começa a brilhar neste mundo de Deus. O novo Papa escolheu ser Francisco, o protetor dos pobres, fracos, humildes. Ele começou muito bem seu pontificado enaltecendo o papel do idoso: ele é a referência, o guardião das relíquias do passado, da História da Humanidade, das experiências humanas que vão embasar novas conquistas, novos inventos e saberes. É preciso ouvi-lo, respeitá-lo, aprender com ele. Que bom, ainda temos alguma serventia!
Mas algo mais deve ser feito. Pois não há uma lei contra o preconceito racial? Ninguém pode chamar nossos afro-brasileiros de negros. Leva cadeia.  Que tal outra lei contra o preconceito de idade. Chamar alguém de “velho” de  maneira pejorativa deve ser crime também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário