Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 24 de julho de 2014

HERANÇAS PERDIDAS







Toda vez que entro na cidade de ônibus interurbano, chego a dar razão à jornalista que falou mal de Caçapava. Criticou as casas velhas, sem pintura e reparos, muitas em ruínas, e maldisse o “programa de índio” que foi aquele fim de semana que alguém lhe sugeriu que passasse aqui. Mas continuo reprovando sua atitude e considerando-a “persona non grata” em nossas paragens. Só nós é que temos o direito de falar mal de certos aspectos de nossa terra, porque, assim fazendo,  sentimos uma dor que só quem a ama pode sentir.
Se ela procurasse outros bairros, veria quanta casa bonita, jardins, monumentos, coisas de dar orgulho à gente. Mas, não. Ela ficou só na parte velha que para nós tem muita história e importantes recordações.
Entretanto, uma coisa é verdade, temos muitas propriedades que ficaram sem dono, ao desamparo, e as complicações legais não chegam a destinar-lhes os herdeiros de direito. Os processos tramitam anos e anos sem solução. Falta sempre um documento que lhes dê amparo. Os imóveis vão ruindo, e nada pode ser feito.
Dá uma tristeza passar pelo antigo Clube Recreativo, uma verdadeira chaga no centro da cidade. Por pertencer a uma sociedade, cabe aos seus sócios dar-lhes o destino. Mas eles já não existem mais. E os seus descendentes terão o direito de decisão? Seria tão mais simples se houvesse uma lei que o encampasse para o Município, desde que ali se construísse um prédio público, um teatro, biblioteca, escola, o que fosse para o bem comum.
Outros casos são de edifícios que ficaram meio construídos, e com a morte do proprietário ainda não ficou estabelecido quem são os herdeiros. Enquanto isso, ele vai ruindo, servindo de morada de animais indesejados, ratos, raposas...
Pensando nisso, lembrei um episódio de minha fase de estudante em Cachoeira do Sul. Por lá chegou certa vez um sacerdote da Região amazônica. Era um verdadeiro missionário e estava inteiramente dedicado àquele povo ribeirinho. Numa palestra na Escola João Neves ele contou como era a vida na região, os dias que levava de canoa de uma localidade a outra para dar assistência religiosa. Certos lugares eram de tão difícil acesso que os fiéis ficavam anos e anos sem a visita de um padre, e quando isso acontecia, aproveitavam a receber todos os sacramentos de uma vez só.  Numa ocasião, havia uma quantidade enorme de casais que desejavam receber o sacramento do matrimônio. O missionário preparou a cerimônia, deu atendimento material e espiritual aos nubentes e na hora foi uma festa! Mas cada casal tinha os seus padrinhos que também estavam recebendo o sacramento, e o celebrante se perdeu ao unir uns e outros. No fim, era aquela gritaria reclamando: “Padre, o senhor me casou com a minha comadre.” Ou: “Padre, ele é meu padrinho, o meu marido é o Tinoco.” O sacerdote pensou um pouco, coçou a cabeça... Como consultar as autoridades eclesiásticas àquela distância?. Mas foi só um momento, pois logo ele resolveu: mandou o acólito trazer água benta, aspergiu os casais e casou todos de novo com os respectivos cônjuges.
Gostaria de uma solução igual para os nossos casos de heranças perdidas que não levam a lugar nenhum.  

Que possamos encontrar a água benta que desfaça os enganos e coloque tudo a funcionar para o bem geral e o embelezamento de nossa cidade..

Nenhum comentário:

Postar um comentário