Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 16 de novembro de 2014

UM COBERTOR A MAIS







No relógio do celular são cinco e meia da manhã. Agora ele é o meu despertador. Acordei porque senti frio, não muito, mas aquele que pede mais uma coberta. Leve que seja.
Dominando a preguiça, fui buscá-la no baú aos pés da cama. Tão simples assim, e eu demorei a mexer-me, quando o sacrifício foi mínimo diante do benefício conquistado.
Há coisa mais gostosa do que cobrir-se quando o frio acontece? Um cobertorzinho a mais, e sente-se aquela delícia na pele e no corpo todo.
Este mês de novembro tem sido agradável, faz calor à tarde, e à noite é aquele ar fresquinho que faz a gente dormir melhor.
No Dia de Finados, uma das minhas manas telefonou-me do cemitério: “Se vieres agora, por favor, me traz um agasalho, pensei que estava quente, mas estou louca de frio.”
Apressei-me a atendê-la, e o sorriso dela quando a cobri com meu casaco foi plenamente compensador. Que coisa! Foi um pequeno milagre.
Depois que desperto, o sono não volta logo. Mas nesta manhã fresquinha, depois do cobertor a mais, fiquei pensando só coisas agradáveis e deixando-me levar pela sensação de conforto de minha cama, acompanhando os ruídos comuns da madrugada, o cacarejo das galinhas da bendita vizinha que ainda pensa em criá-las no pátio de sua casa. Uma tentação para os ladrões, mas agora eles não se contentam com pouco. Por aqui reina é o abigeato.
Quando os pensamentos se desviam para esse crime e outros piores que dominam nossos dias, acho melhor começar a rezar as orações da manhã e depois buscar dormir de novo.
Hoje é domingo. Poucos compromissos na agenda desta aposentada. Posso ficar à toa
 no computador, pois já deixei o leite ferver sem derramar, como muitas vezes deixo acontecer quando me entretenho com minhas crônicas. Coisas de “escritora”...


Nenhum comentário:

Postar um comentário