Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 11 de fevereiro de 2012

TRÊS DIAS DE ILUSÃO





Nos três dias de carnaval (que afinal são quatro), enquanto os jovens se divertem nas concentrações de seus blocos e nos salões, de um jeito não tão do agrado dos adultos, esses ficam recordando os carnavais de outros tempos, mais românticos, na sua opinião. Quando se gastava muito em confete e serpentina, e o lança perfume era usado para chamar a atenção da foliona que passava sambando, e então seguia agradavelmente perfumada e sorridente. Era assim que muito romance começava.
A grande festa do Samba e da Irreverência tinha seu início logo depois do Natal e do Ano Novo. Aí começava a empolgação pela escolha das fantasias, e os blocos se organizavam aos pouquinhos, testando sua aceitação nos bailes pré-carnavalescos, às quartas e sábados, geralmente.
Mas o folião que desejo lembrar só começava a aparecer a partir da primeira noite da festa. Chegava discreto e elegante, lançava olhares à direita e esquerda e, por fim, “flechava” com um olhar sedutor e mais um jato de lança perfume aquela que elegeria “sua rainha”.
Desde logo, revelava-se o par perfeito, alegre, atencioso, cada vez mais apaixonado.
Na segunda noite ele já estava à espera da moça na entrada do Clube. E o romance prosseguia com todos os encantamentos imagináveis.
No dia seguinte ele ia buscá-la em casa, onde se fazia encantador com os pais da menina, que logo ficavam cativados por sua aparência de moço fino, de boa família e de muitas posses. Predicados, aliás, que nunca foram desmentidos.
Na última noite da folia, já se comentava sobre o provável noivado do par, ouvido daqui e ali, a partir da empregada da família da eleita. O amor deles podia-se perceber mesmo de longe.
Chegava a Quarta feira de Cinzas, e a jovem acordava julgando ouvir sininhos a tocar, e a família já pensava em começar o enxoval. Mas o sol ia aquecendo, o meio dia chegava, a tarde ia findando, por fim a noite... E nada do moço! Depois de imaginar mil explicações, passada a semana sem notícias, a jovem e seus pais acabavam se convencendo de que fora tudo uma ilusão. O amor só existira no carnaval.
Apesar de residir em cidade vizinha, o galã continuou não sendo visto pelos conhecidos da moça pelos próximos anos. Ele continuava “cantando”, certamente, mas em outras freguesias.
Vários anos mais tarde, a jovem estando casada com outro e feliz, eis que o moço reaparecia no carnaval e conquistava outra mocinha. Não adiantava alguém lembrar-se dos antecedentes e tentar alertar a “eleita” das noites de folia – ela ficava deveras enfeitiçada.
Quantos anos ele aplicou o mesmo golpe do cupido, não sei precisar, nem quando sumiu de vez. Deve ter ficado velho, e nossas jovens de hoje não gostam de “coroas”.
A essas alturas ele pode estar recordando saudoso a magia dos carnavais do passado, quando um romance tão promissor tinha para ele a duração de três dias de sonho. E nada mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário