Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 26 de fevereiro de 2012

TARDES DE JANEIRO


Janeiro passou pisando de leve. Muitíssimo calor, falta de chuva, de sombra, de vagalumes. Onde foram parar essas lanterninhas vivas das noites de verão?
É quando a gente percebe que o mundo aos poucos não é mais o mesmo. Ou os pirilampos estão em extinção. Quem sabe é porque a iluminação das ruas ficou mais clara, e a luzinha deles e seu pisca pisca nem se percebem.
A chuva fez muita saudade. Há tempos não ouço mais o coaxar dos sapos deliciando-se nas poças d´água depois dos assustadores relâmpagos e trovões das madrugadas de outrora. Quando eles começavam seu coro, era sinal de que o perigo passara. Aí ficava só a chuva.
Não sei para onde foram tantas coisas que não aparecem mais, e só de repente a gente se dá conta.
As tardes quentes são longas, as ruas não convidam a sair. E na casa o vazio dos filhos que vão embora, tudo nos seus lugares, ninguém para desarrumar. Ah, quem dera um netinho...
É incrível o que uma mulher consegue fazer nesses momentos com apenas um novelo de linha e uma agulha de crochê. Nossas tias e avós nunca ficavam de mãos ociosas, e o resultado valia a pena ver, a casa ficava toda enfeitada de guardanapos, cortinas, almofadas.
Hoje há outras prioridades que nos ocupam. Chamar encanadores, eletricistas, afinal o conforto da casa tem que ser assegurado.
Mas o bom do verão é deitar numa rede, à sombra de um copado cinamomo, e ler um romance policial cheio de suspense. Só no final se fica sabendo quem é o bandido, devidamente castigado. Quem dera a realidade fosse sempre essa. Mas, justiça seja feita, nosso aparato policial está evoluindo e tentando competir com a engenhosidade e agressividade dos criminosos. Muitas vezes com sucesso, graças a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário